Dicionário Espírita

Vocabulário Espírita

Agênere(do gr, a, privativo e géine, geinomai, engendrar; o que não foi engendrado) – variedade de aparição tangível; estado de certos Espíritos que podem revestir, momentaneamente, as formas de uma pessoa viva a ponto de iludir completamente os observadores.

Alma (do lat. anima, gr. anemos, sopro, emanação, ar) – segundo uns, é o princípio da vida material; segundo outros, é o princípio da inteligência, sem individualidade depois da morte. Conforme as diversas doutrinas religiosas, é um ser imaterial, distinto, do qual o corpo não é senão o invólucro. Sobrevive ao corpo e conserva a sua individualidade depois da morte.

Esta diversidade de acepções dadas a uma mesma palavra é uma fonte perpétua de controvérsias, o que não se daria se cada idéia tivesse sua representação nitidamente definida. Para evitar qualquer mal-entendido sobre o sentido que damos a esta pala-vra, chamaremos:

Alma espírita, ou simplesmente alma – o ser imaterial, dis-tinto e individual, unido ao corpo que lhe serve de invólu-cro temporário, isto é, o espírito em estado de encarnação, e que somente pertence à espécie humana;

Princípio vital – o princípio geral da vida material, comum a todos os seres orgânicos, homens, animais e plantas; e alma vital – o princípio vital individualizado em um ser qual-quer;

Princípio intelectual – o princípio geral da inteligência co-mum aos homens e animais; e alma intelectual – este mes-mo princípio individualizado.

Alma universal – nome que certos filósofos dão ao princípio geral da vida e da inteligência (v. Todo universal).

Alucinação (do lat. hallucinatio, – onis, erro, engano, aluci-nação) – aparente percepção de objetos externos, não presentes no momento; ilusão; devaneio. Os fenômenos espíritas, que provêm da emancipação da alma, provam que o que se qualifica

de alucinação é, muitas vezes, uma percepção real análoga à da dupla-vista, do sonambulismo ou êxtase, provocada por um estado anormal, um efeito das faculdades da alma desprendida dos laços corpóreos. Sem dúvida ocorre, em certas circunstân-cias, uma verdadeira alucinação no sentido correlato ao termo. Mas a ignorância e a pouca atenção que se tem dado, até o presente, a essas espécies de fenômenos fizeram considerar como uma ilusão o que é, freqüentemente, uma visão real. Quando não se sabe explicar um fato psicológico, acha-se mais simples classificá-lo de alucinação.

Anjo (do lat. angelus, gr. aggelos, mensageiro) – segundo a idéia vulgar, os anjos são seres intermediários entre o homem e a divindade, por sua natureza e poder, e que podem manifestar-se, quer por avisos ocultos, quer de um modo visível. Eles não foram criados perfeitos, pois a perfeição supõe a infalibilidade e alguns dentre eles se revoltaram contra Deus. Diz-se: os bons e maus anjos, o anjo das trevas. Entretanto a idéia mais geral, ligada a esta palavra, é a da bondade e da suprema virtude.

Segundo a doutrina espírita, os anjos não são seres à parte e de uma natureza especial: são os Espíritos da primeira ordem, isto é, os que chegaram ao estado de puros Espíritos depois de terem sofrido todas as provas.

Nosso mundo não é de toda a eternidade e, muito tempo antes que ele existisse, já Espíritos haviam atingido esse grau supremo; os homens então acreditaram que eles sempre foram assim.

Aparição – fenômeno pelo qual os seres do mundo incorpó-reo se manifestam à vista.

Aparição vaporosa ou etérea – a que é impalpável e inatin-gível, e não oferece nenhuma resistência ao toque;

Aparição tangível ou estereológica– a que é palpável e apre-senta a consistência de um corpo sólido.

A aparição difere da visão por ocorrer no estado de vigília, através dos órgãos visuais e enquanto o homem tem a plena consciência de suas relações com o mundo exterior. A visão dá-se no estado de sono ou de êxtase. Ocorre igualmente no estado de vigília, por efeito da segunda-vista. A aparição é registrada

pelos olhos do corpo; produz-se no próprio lugar em que nos encontramos; a visão tem por objeto coisas ausentes ou distantes, percebidas pela alma em seu estado de emancipação e quando as faculdades sensitivas estão mais ou menos suspensas (v. Lucidez, Clarividência).

Arcanjo – anjo de uma ordem superior (v. Anjo). A palavra anjo é um termo genérico que se aplica a todos os Espíritos puros. Se admitirmos, relativamente aos anjos, diferentes graus de elevação, poderemos, para empregar termos conhecidos, designá-los pelas palavras arcanjos e serafins.

Ateu, Ateísmo (do gr. atheos, composto de a, privativo, e de theos, Deus: sem Deus; que não crê em Deus) – o Ateísmo é a negação absoluta da divindade. Todo aquele que crê na existên-cia de um ser supremo, quaisquer que sejam os atributos que lhe suponha e o culto que lhe renda, não é ateu. Toda religião repou-sa necessariamente na crença em uma divindade. Esta crença pode ser mais ou menos esclarecida, mais ou menos conforme à verdade; todavia uma religião atéia é um contra-senso.

O Ateísmo absoluto tem poucos prosélitos, porque o senti-mento da divindade existe no coração do homem independente-mente de qualquer ensino. O ateísmo e o Espiritismo são incom-patíveis.

Batedor (v. Espírito).

Céu, no sentido de morada dos bem-aventurados (v. Paraí-so).

Clarividência – propriedade inerente à alma e que dá a certas pessoas a faculdade de ver sem o auxílio dos órgãos da visão (v. Lucidez).

Classificação dos Espíritos (v. Escala espírita).

Comunicação espírita – manifestação inteligente dos Espíri-tos tendo por objeto uma troca contínua de pensamento entre eles e os homens. Distinguem-se em:

Comunicações frívolas – as que se referem a assuntos fúteis e sem importância;

Comunicações grosseiras – as que se traduzem por expres-sões que ofendem a decência;

Comunicações sérias – as que excluem a frivolidade, qual-quer que seja o assunto de que tratem;

Comunicações instrutivas – as que têm por objeto principal um ensinamento dado pelos Espíritos sobre as ciências, a moral, a filosofia, etc..

(Quanto às modalidades de comunicações, v. Sematologia, Tiptologia, Pneumatofonia, Pneumatografia, Psicofonia, Psico-grafia, Telegrafia humana).

Crisíaco– aquele que está em um estado momentâneo de cri-se produzida pela ação magnética. Esta circunstância se oferece mais particularmente naqueles em que esse estado é espontâneo e acompanhado de uma superexcitação nervosa. Os crisíacos gozam, em geral, de lucidez sonambúlica ou da segunda-vista.

Deísta – aquele que crê em Deus, sem admitir o culto exteri-or. Sem razão confunde-se às vezes deísmo com ateísmo (v. Ateu).

Demônio (do lat. Daemo, feito do gr. Daimon, gênio, sorte, destino, manes) – Daemones, tanto em grego como em latim, se diz de todos os seres incorpóreos, bons ou maus, e que se supõe terem conhecimentos e poder superiores aos dos homens. Nas línguas modernas esta palavra é geralmente tomada em má acepção, que se restringe aos gênios malfazejos. Segundo a crença vulgar os demônios são seres essencialmente maus por sua natureza. Os Espíritos nos ensinam que Deus, sendo sobera-namente justo e bom, não pode ter criado seres voltados ao mal e desgraçados por toda a eternidade. Segundo eles não há demô-niosna acepção absoluta e restrita desta palavra; há apenas Espíritos imperfeitos, que podem, todos, aperfeiçoarem-se por seus esforços e por sua vontade. Os Espíritos da nona classe seriam os verdadeiros demônios, se esta palavra não implicasse a idéia de uma natureza perpetuamente má.

Demônio familiar (v. Espírito familiar).

Demonologia, demonografia – tratado da natureza e da in-fluência dos demônios.

Demonomancia(do gr. daimone manteia, adivinhação) – pretenso conhecimento do futuro pela inspiração dos demônios.

Demonomania – variedade de alienação mental que consiste em crer-se possuído pelo demônio.

Diabo (do gr. Diabolos, delator, acusador, maldizente, calu-niador) – segundo a crença vulgar, é um ser real, um anjo rebel-de, chefe de todos os demônios, e que tem um poder bastante grande para lutar contra o próprio Deus. Ele conhece nossos pensamentos mais secretos, insufla todas as más paixões e toma todas as formas para nos induzir ao mal. Conforme a doutrina dos espíritos sobre os demônios, o diabo é a personificação do mal; é um ser alegórico, resumindo em si todas as paixões más dos Espíritos imperfeitos. Da mesma forma que os povos da antigüidade davam às suas divindades alegóricas atributos espe-ciais – ao tempo uma foice de segar, uma ampulheta, asas e a figura de um ancião; à fortuna uma venda sobre os olhos e uma roda sob um pé, etc. –, igualmente o diabo teve que ser represen-tado sob os traços característicos da baixeza de inclinações. Os chifres e a cauda são os emblemas da bestialidade, isto é, da brutalidade, das paixões animais.

Deus – inteligência suprema, causa primária de todas as coi-sas. É eterno, imutável, imaterial, único, todo poderoso, sobera-namente justo e bom, e infinito em todas as suas perfeições.

Dríades (v. Hamadríades).

Duendes – espíritos travessos, espécies de trasgos, mais tra-quinas do que maus, que pertencem à classe dos Espíritos levia-nos (v. Trasgos).

Emancipação da alma – estado particular da vida humana durante o qual a alma, desprendendo-se de seus laços materiais, recupera algumas das suas faculdades de Espírito e entra mais facilmente em comunicação com os seres incorpóreos. Este estado se manifesta principalmente pelo fenômeno dos sonhos,

da soniloquia, da dupla-vista, do sonambulismo natural ou magnético e do êxtase (v. estas palavras).

Encarnação – estado dos Espíritos que revestem um invólu-cro corporal. Diz-se: Espírito encarnado, em oposição a Espírito errante. Os Espíritos são errantes no intervalo de suas diferentes encarnações. A encarnação pode ocorrer na Terra ou em outro mundo.

Erraticidade – estado dos Espíritos errantes, isto é, não en-carnados, durante os intervalos de suas diversas existências corpóreas. A erraticidade não é um sinal absoluto de inferiorida-de para os Espíritos. Há Espíritos errantes de todas as classes, salvo os da primeira ordem ou puros espíritos, que não tendo mais que sofrer encarnação, não podem ser considerados como errantes. Os Espíritos errantes são felizes ou desgraçados segun-do o grau de sua purificação. É nesse estado que o Espírito, tendo despido o véu material do corpo, reconhece suas existên-cias anteriores e os erros que o afastam da perfeição e da felici-dade infinita. É então, igualmente, que ele escolhe novas provas, a fim de avançar mais depressa.2

Escala espírita – quadro das diferentes ordens de Espíritos, indicando os graus que eles têm de percorrer para chegar à perfeição. Ela compreende três ordens principais: os Espíritos imperfeitos, os bons Espíritos, os puros Espíritos, subdivididos em nove classes caracterizadas pela progressão dos sentimentos morais e das idéias intelectuais.

Os próprios Espíritos nos ensinam que eles pertencem a dife-rentes categorias, segundo o grau de sua purificação, mas nos dizem também que essas categorias não constituem espécies distintas e que todos os Espíritos são chamados a percorrê-las sucessivamente (v. as explicações relativas ao caráter de cada classe de Espíritos no capítulo especial).

Esfera – palavra pela qual certos Espíritos designam os dife-rentes graus da escala espírita. Eles dizem que se chegou à quinta ou à sexta esfera, como outros dizem do quinto ou sexto céu. Pela maneira como se exprimem, poder-se-ia supor que a Terra é

um ponto central, cercado de esferas concêntricas nas quais se realizam sucessivamente os diferentes graus de perfeição. Al-guns falam ainda da esfera do fogo, da esfera das estrelas, etc.. Como as mais simples noções astronômicas bastam para mostrar o absurdo de semelhante teoria, ela não pode provir senão, ou de uma falsa interpretação dos termos, ou de Espíritos ainda muito atrasados, imbuídos dos sistemas de Ptolomeu e Tycho-Brahe. Se um homem que julgais sábio sustenta uma teoria evidente-mente absurda, duvidais do seu saber; o mesmo deve ocorrer em relação aos Espíritos. É pela experiência que aprendemos a conhecê-los. Estas expressões são viciosas, mesmo tomadas em sentido figurado, porque podem induzir em erro sobre o sentido verdadeiro pelo qual se deve entender a progressão dos Espíritos (v. Reencarnação).

Espírita – o que se refere ao Espiritismo.3

Espiritismo – doutrina fundada sobre a crença na existência dos Espíritos e em sua comunicação com os homens.

Espiritista – aquele que adota a doutrina espírita.

Espírito / Espíritos (do lat. spíritus, feito de spirare, soprar) – no sentido especial da doutrina espírita, os Espíritos são seres inteligentes da criação e povoam o Universo fora do mundo corpóreo.4

A natureza íntima dos Espíritos nos é desconhecida; eles mesmos não a podem definir, seja por ignorância, seja pela insuficiência da nossa linguagem. Somos, a este respeito, como cegos de nascença em face da luz. Segundo o que eles nos di-zem, o Espírito não é material no sentido vulgar da palavra, não é tampouco imaterial em sentido absoluto, porque o Espírito é alguma coisa e a imaterialidade absoluta seria o nada. O Espírito é, pois, formado de uma substância, mas da qual a matéria gros-seira que impressiona nossos sentidos não pode dar-nos uma idéia. Pode-se compará-lo a uma chama ou centelha cujo brilho varia segundo o grau de sua purificação. Pode tomar todas as espécies de formas por meio do perispírito de que está envolvido (v. Perispírito).

Espírito batedor – é o que revela sua presença batendo pan-cadas. Pertence às classes inferiores.

Espírito elementar – Espírito considerado em si mesmo e feita abstração de seu perispírito ou invólucro semimaterial.5

Espírito familiar – Espírito que se liga a uma pessoa ou a uma família, quer para protegê-la, se é bom, quer para prejudicá-la, se é mau. O Espírito familiar não precisa ser evocado; está sempre presente e responde instantaneamente ao apelo que se lhe faz. Muitas vezes manifesta sua presença por sinais sensíveis.

Espiritualismo – crença na existência de uma alma espiritu-al, imaterial, que conserva a sua individualidade depois da morte, abstração feita da crença nos Espíritos; é o oposto do materia-lismo(v. Materialismo, Espiritismo). Todo aquele que crê que tudo em nós não é matéria é espiritualista, mas não se segue daí que admita a doutrina dos Espíritos. Todo espiritista é necessari-amente espiritualista, mas pode-se ser espiritualista sem ser espiritista; o materialista não é uma nem outra coisa. Como são duas idéias essencialmente distintas, era necessário distingui-las por palavras diferentes, a fim de evitar qualquer equívoco. Mesmo para aqueles que consideram o Espiritismo como uma idéia quimérica, faz-se ainda mister designar essa idéia por uma palavra especial. Esta medida é imprescindível, tanto no que diz respeito às idéias falsas quanto às verdadeiras, a fim de nos entendermos.6

Estereológicas(do gr. stéreos, sólido) – aparições que adqui-rem as propriedades da matéria resistente e tangível. Diz-se por oposição às aparições vaporosas ou etéreas, que são impalpáveis. A aparição estereológica apresenta, temporariamente à vista e ao toque as propriedades de um corpo vivo.

Evocação (v. Invocação).

Expiação – pena que sofrem os Espíritos como punição das faltas cometidas durante a vida corporal. A expiação, sofrimento moral, ocorre no estado de erraticidade como o sofrimento físico ocorre no estado corporal. As vicissitudes e os tormentos da vida

corporal são, ao mesmo tempo, provas para o futuro e expiação do passado.

Êxtase (do gr. ekstasis, arrebatamento, arroubo de espírito; feito de existêmi, tomar de espanto) – paroxismo da emancipação da alma durante a vida corporal, de que resulta a suspensão momentânea das faculdades perceptivas e sensitivas dos órgãos. Nesse estado a alma não se prende mais ao corpo senão por laços fracos, que ela procura romper; pertence mais ao mundo dos Espíritos, que ela entrevê, do que ao mundo material. O êxtase é, algumas vezes, natural e espontâneo; pode também ser provoca-do pela ação magnética e, neste caso, é um grau superior de sonambulismo.

Fadas (do lat. fata) – segundo a crença vulgar, as fadas são seres semimateriais, dotados de um poder sobre-humano. São boas ou más, protetoras ou malfazejas; podem tornar-se, à von-tade, visíveis ou invisíveis e assumir todas as espécies de formas. As fadas sucederam, na Idade Média e entre os povos modernos, as divindades subalternas dos antigos. Se separarmos suas histó-rias do maravilhoso com que lhes veste a imaginação dos poetas e a credulidade popular, encontraremos nelas todas as manifesta-ções espíritas de que somos testemunhas e que se produziram em todas as épocas; é incontestavelmente aos fatos deste gênero que esta crença deve sua origem. Nas fadas que se diz presidirem ao nascimento de uma criança e segui-la no curso de sua vida, se reconhecem sem esforço os Espíritos ou gênios familiares. Suas inclinações mais ou menos boas e que são sempre o reflexo das paixões humanas colocam-nas, naturalmente, na categoria dos Espíritos inferiores ou pouco adiantados (v. Politeísmo).

Feiticeiros (em francês sorcier, do lat. sors, sortis, sorte, des-tino, fado) – se dizia, primitivamente, dos indivíduos que se julgavam capazes de deitar sortes a alguém e, por extensão, de todos aqueles aos quais se atribuía um poder sobrenatural. Os fenômenos estranhos que se produzem sob a influência de certos médiuns provam que o poder atribuído aos feiticeiros repousa em uma realidade, mas da qual o charlatanismo tem abusado como abusa de tudo. Se em nosso século esclarecido há ainda

pessoas que atribuem esses fenômenos aos demônios, com maior razão tal se suporia nos tempos da ignorância. Disso resultou que os indivíduos que possuíam, mesmo sem o saber, algumas das faculdades de nossos médiuns, eram condenados ao fogo.

Fluídico – oposto a sólido. Qualificação dada aos Espíritos por alguns escritores para caracterizar-lhes a natureza etérea. Diz-se os Espíritos fluídicos. Julgamos imprópria esta expressão, que apresenta, além disso, uma espécie de pleonasmo, pouco mais ou menos como se disséssemos: ar gasoso. A palavra Espírito diz tudo. Ela encerra em si mesma sua própria definição, desperta necessariamente a idéia de uma coisa incorpórea. Um Espírito que não fosse fluídico não seria um Espírito. Esta pala-vra tem outro inconveniente, que é o de assemelhar a natureza dos Espíritos aos nossos fluidos materiais. Lembra demasiada-mente a idéia de laboratório.

Fogo eterno – a idéia do fogo eterno, como um castigo, re-monta à mais alta antigüidade e se origina na crença dos povos que colocavam os infernos nas entranhas da Terra, cujo fogo central lhes era revelado pelos fenômenos geológicos. Quando o homem adquiriu noções mais elevadas quanto à natureza da alma, compreendeu que um ser imaterial não podia sofrer os danos de um fogo material; mas o fogo nem por isso deixou de permanecer como a configuração do mais cruel suplício, e não se pode encontrar figura mais enérgica para pintar os sofrimentos morais da alma. É neste sentido que o entende hoje a alta teolo-gia, é nesse sentido, igualmente, que se diz: arder de amor, ser consumido pelo ciúme, pela ambição, etc..

Gênio (do lat. genius, formado do grego géinô, engendrar, produzir) – neste sentido se diz que um homem capaz de criar ou de inventar coisas extraordinárias é um homem de gênio. Na linguagem espírita gênio é um sinônimo de Espírito. Diz-se indiferentemente: Espírito familiar e gênio familiar, bom e mau espírito, bom e mau gênio. A palavra Espírito encerra um sentido mais vago e menos circunscrito; o gênio é uma espécie de perso-nificação de Espírito. Imaginamo-lo sob uma forma determinada, mais ou menos semelhante à forma humana, porém vaporosa e

impalpável, ora visível, ora invisível. Os gênios são os Espíritos em suas relações com os homens, atuando sobre eles por um poder oculto e superior.

Gênio familiar (v. Espírito familiar).

Gnomos (do gr. gómon, conhecedor, hábil, formado de gnos-ko, conhecer) – gênios inteligentes que se supõe habitarem o interior da Terra. Pelas qualidades que lhe são atribuídas, perten-cem à ordem dos Espíritos imperfeitos e à classe dos Espíritos levianos.

Hamadríade(do gr. ama, junto, e drüs, carvalho; Dríade, de drüs, carvalho) – ninfa dos bosques, segundo a mitologia pagã. As dríades eram ninfas imortais que presidiam às árvores em geral e que podiam vagar em liberdade em redor daquelas que lhes eram particularmente consagradas. A hamadríadenão era imortal, nascia e morria com a árvore, cuja guarda lhe era confi-ada e que ela nunca podia abandonar. Não é duvidoso hoje que a idéia das dríades e hamadríades tenha sua origem em manifesta-ções análogas às de que somos testemunhas. Os antigos, que profetizavam tudo, divinizaram as inteligências ocultas que se manifestavam na própria substância dos corpos. Para nós, as hamadríades não passam de espíritos batedores.

Iluminado – qualificação dada a certos indivíduos que se pretendem esclarecidos por Deus, de maneira particular, e que são considerados geralmente como visionários ou doentes men-tais. Diz-se: a seita dos iluminados. Sob esta denominação foram confundidos todos os que recebem comunicações inteligentes e espontâneas da parte dos Espíritos. Se neste número houve homens superexcitados por uma imaginação exaltada, conhece-se hoje a parte que se deve atribuir à realidade.

Instinto – espécie de inteligência rudimentar que dirige os seres vivos em suas ações, à revelia de sua vontade e no interesse de sua conservação. O instinto torna-se inteligência quando surge a deliberação. Pelo instinto age-se sem raciocinar; pela inteligência raciocina-se antes de agir. No homem confundem-se freqüentemente as idéias instintivas com as idéiasintuitivas.

Estas últimas são as que ele hauriu, quer no estado de espírito, quer nas existências anteriores e das quais conserva uma vaga lembrança.

Inteligência – faculdade de conceber, de compreender e ra-ciocinar. Seria injusto recusar aos animais uma espécie de inteli-gência e acreditar que eles apenas seguem maquinalmente o impulso cego do instinto. A observação demonstra que, em muitos casos, eles agem de propósito deliberado e conforme as circunstâncias; todavia essa inteligência, por admirável que seja, é sempre limitada à satisfação das necessidades materiais, ao passo que a do homem lhe permite elevar-se acima da condição de Humanidade. A linha de demarcação entre os animais e o homem é traçada pelo conhecimento que a este é dado ter, do Ser Supremo (v. Instinto).

Intuição (v. Instinto, Tendências inatas).

Invisível – nome com que algumas pessoas designam os Es-píritos em suas manifestações. Esta denominação não nos parece feliz, em primeiro lugar porque se invisibilidade é para nós o estado normal dos Espíritos, sabe-se que ela não é absoluta, visto que eles podem aparecer-nos; em segundo lugar, esta qualifica-ção nada tem que caracterize essencialmente os Espíritos. Ela se aplica, igualmente, a todos os corpos inertes que não impressio-nam o sentido da visão. A palavra Espírito tem, por si mesma, uma significação que desperta a idéia de um ser inteligente e incorpóreo. Notemos ainda que falando de um determinado Espírito, o de Fénelon, por exemplo, dir-se-á: foi o Espírito de Fénelon que disse tal coisa, e não que foi o Invisível de Fénelon. É sempre prejudicial à clareza e à pureza da linguagem desviar as palavras de sua acepção própria.

Invocação (do lat. in, em, e vocare, chamar) e evocação (do lat. vocaree eou ex, de, fora de) – estas duas palavras não são sinônimos perfeitos, embora tenham a mesma raiz, vocare: chamar. É um erro empregá-las uma pela outra. Evocar é cha-mar, fazer vir a si, fazer aparecer por cerimônias mágicas, por encantamentos. Evocar almas, Espíritos, sombras. Os necroman-tes pretendiam evocar as almas dos mortos (acad.). Entre os

antigos, evocar era fazer saírem as almas dos infernos para fazê-las vir aos viso. Invocar é chamar a si ou em seu socorro um poder superior ou sobrenatural. Invoca-se Deus pela prece. Na religião católica invocam-se os Santos. Toda prece é uma invo-cação. A invocação está no pensamento; a evocação é um ato. Na invocação o ser ao qual nos dirigimos nos ouve; na evocação ele sai do lugar em que estava para vir a nós e manifestar sua pre-sença. A invocação não é dirigida senão aos seres que supomos bastante elevados para nos assistir. Evocam-se tanto os Espíritos inferiores como os superiores. “Moisés proibiu, sob pena de morte, evocar as almas dos mortos, prática sacrílega em uso entre os cananeus. O 22º capítulo do II Livro dos Reis fala da evocação da sombra de Samuel pela pitonisa”.

A arte das evocações, como se vê, remonta à mais alta anti-güidade. É encontrada em todas as épocas e em todos os povos. Outrora a evocação era acompanhada de práticas místicas, ou porque os evocadores as julgassem necessárias ou, o que é mais provável, para se atribuírem o prestígio de um poder superior. Hoje se sabe que o poder de evocar não é um privilégio, que ele pertence a toda gente e que as cerimônias mágicas, em geral, não passavam de um vão aparato.

Segundo os povos antigos, todas as almas evocadas ou eram errantes ou vinham dos infernos, que compreendiam, como se sabe, tanto os Campos Elíseos como o Tártaro; a essa idéia não se ligava nenhuma interpretação má. Na linguagem moderna, tendo-se restringido a significação da palavra inferno à morada dos réprobos, disso resultou que a idéia da invocação se ligou, para certas pessoas, à de maus Espíritos ou de demônios. Entre-tanto essa crença cai à medida que se adquire um conhecimento mais aprofundado dos fatos; também é ela a menos espalhada entre todos os que crêem na realidade das manifestações espíri-tas: ela não poderia prevalecer diante da experiência e de um raciocínio isento de preconceitos.

Lares (v. Manes, Penates).

Livre arbítrio – liberdade moral do homem; faculdade que ele tem de se guiar pela sua vontade na realização de seus atos.

Os Espíritos nos ensinam que a alteração das faculdades mentais, por uma causa acidental ou natural, é o único caso em que o homem fica privado de seu livre arbítrio. Fora disto é sempre senhor de fazer ou de não fazer. Ele goza desta liberdade no estado de Espírito, e é em virtude desta faculdade que escolhe livremente a existência e as provas que julga próprias para seu progresso; ele a conserva no estado corporal, a fim de poder lutar contra essas mesmas provas. Os Espíritos que ensinam esta doutrina não podem ser maus Espíritos (v. Fatalidade).

Lucidez, clarividência – faculdade de ver sem o auxílio dos órgãos da visão. É uma faculdade inerente à própria natureza da alma ou do Espírito, e que reside em todo o seu ser; eis por que em todos os casos em que há emancipação da alma, o homem tem percepções independentes dos sentidos. No estado corporal normal, a faculdade de ver é limitada pelos órgãos materiais; desprendida desse obstáculo, ela não é mais circunscrita, esten-de-se por toda parte onde a alma exerce sua ação; tal é a causa da visão à distância de que gozam certos sonâmbulos. Eles se vêem no próprio local que observam e descrevem, ainda que este se situe mil léguas à distância, visto que, se o corpo não se acha acolá, a alma, em realidade, ali se encontra. Pode-se, pois, dizer que o sonâmbulo vê pelos olhos da alma.

A palavra clarividência é mais geral; lucidez diz-se mais par-ticularmente da clarividência sonambúlica. Um sonâmbulo é mais ou menos lúcido, conforme a emancipação da alma é mais ou menos completa.

Magia, mago (do gr. magos, judicioso-sábio, formado de mageia, conhecimento profundo da natureza, de que se fez mago, sacerdote, sábio e filósofo entre os antigos persas) – a magia, em sua origem, era a ciência dos sábios; todos os que conheciam a astrologia, que se gabavam de predizer o futuro, que faziam coisas extraordinárias e incompreensíveis para o vulgo, eram apelidados magos. O abuso e o charlatanismo desa-creditaram a magia; entretanto os fenômenos que hoje reprodu-zimos pelo magnetismo, pelo sonambulismo e pelo Espiritismo provam que a magia não era uma arte puramente quimérica e que

entre muitos absurdos nela havia, seguramente, fenômenos bem reais. A vulgarização desses fenômenos teve como efeito destruir o prestígio daqueles que os operavam outrora, sob o véu do segredo, e abusavam da credulidade atribuindo-se um pretenso poder sobrenatural. Graças a essa vulgarização, sabemos hoje que nada existe de sobrenatural neste mundo e que certas coisas parecem derrogar as leis da natureza apenas porque não lhes conhecemos as causas.

Magnetismo animal (do gr. e do lat. magnes, ímã) – assim chamado por analogia com o magnetismo mineral. Tendo a experiência demonstrado que esta analogia não existe, ou é apenas aparente, esta denominação deixa de ser exata. Todavia, como está consagrada por um uso universal, e como, além disso, o epíteto que se lhe acrescenta não permite equívoco, haveria mais inconveniência do que utilidade em mudar este nome. Algumas pessoas substituem-na pela palavra Mesmerismo; entretanto esta expressão até agora não prevaleceu.

O magnetismo animal pode ser assim definido: ação recíproca de dois seres vivos por intermédio de um agente especial chama-dofluido magnético.

Magnetizador, magnetista– esta última palavra é emprega-da por algumas pessoas para designar os adeptos do magnetismo, os que crêem em seus efeitos. O magnetizador é o prático, o que exerce; o magnetista é o teórico. Pode-se ser magnetista sem ser magnetizador, mas não se pode ser magnetizador sem ser magne-tista. Esta distinção parece-nos útil e lógica.

Manes (do lat. manere, ficar, segundo uns; de manes, mani-um, feito de manus, bom, segundo outros) – na mitologia romana e etrusca, os manes eram as almas ou as sombras dos mortos. Os povos antigos tinham grande respeito aos manes de seus antepas-sados, que julgavam poder apaziguar por meio de sacrifícios. Imaginavam-nos sob sua forma humana, porém vaporosa e invisível, vagando em redor dos próprios túmulos ou das pró-prias habitações e visitando suas famílias. Quem não reconhece-ria nesses manes os Espíritos sob o invólucro semimaterial do

perispírito, e que eles mesmos nos dizem estarem entre nós sob a forma que tinham durante a vida? (v. Penates).

Manifestação – ato pelo qual um Espírito revela sua presen-ça. As manifestações são:

Ocultas – quando não têm nada de ostensivo e o Espírito se limita a agir sobre o pensamento;

Patentes – quando são apreciáveis pelos sentidos;

Físicas – quando se traduzem por fenômenos materiais, tais como ruídos, movimento e deslocamento de objetos;

Inteligentes – quando revelam um pensamento (v. Comuni-cação);

Espontâneas – quando são independentes da vontade e ocor-rem sem que nenhum Espírito seja chamado;

Provocadas – quando são efeito da vontade, do desejo ou de uma evocação determinada;

Aparentes – quando o Espírito se faz visível à vista (v. Apa-rição).

Materialismo – sistema dos que pensam que tudo é matéria no homem e que, assim, nada sobrevive nele após a destruição do corpo. Parece-nos inútil refutar este ponto de vista, que, além do mais, é opinião pessoal de certos indivíduos e em parte algu-ma foi erigido em doutrina.7 Se se pode demonstrar a existência da alma pelo raciocínio, as manifestações espíritas dela oferecem as provas mais patentes; por meio dessas manifestações assisti-mos de mil maneiras diferentes a todas as peripécias da vida de além-túmulo. O materialismo, que se baseia apenas na negação, não pode fazer face à evidência dos fatos; eis por que a doutrina espírita tantas vezes triunfa sobre aqueles mesmos que mais resistiram a todos os outros argumentos. Sua vulgarização é o meio mais poderoso para extirpar esta chaga das sociedades civilizadas.

Medianimidade – faculdade dos médiuns. As palavras medi-unidadee medianimidade são muitas vezes empregadas indife-rentemente. Se quisermos fazer uma distinção, poder-se-á dizer que mediunidade tem um sentido mais geral e medianimidade

um sentido mais restrito. Ex.: Ele possui o dom da mediunidade: a medianimidade mecânica (v. Mediunidade).

Médium (do lat. médium, meio, intermediário) – pessoa aces-sível à influência dos Espíritos e mais ou menos dotado da faculdade de receber e transmitir suas comunicações. Para os Espíritos, o médium é um intermediário; é um agente ou um instrumento mais ou menos cômodo, segundo a natureza ou o grau da faculdade mediúnica. Esta faculdade depende de uma disposição orgânica especial, susceptível de desenvolvimento. Distinguem-se diversas variedades de médiuns segundo sua aptidão particular para tal ou tal modo de transmissão, ou tal ou tal gênero de comunicação.

Médiuns de influência física – aqueles que têm o poder de provocar manifestações ostensivas. Compreendem as variedades seguintes:

Médiuns motores – os que provocam o movimento e o deslo-camento dos objetos;

Médiuns tiptológicos– os que provocam ruídos, pancadas ou batidas;

Médiuns de aparição – os que provocam as aparições (v. Aparição)

Entre os médiuns de influência física distinguem-se:

Médiuns naturais – aqueles que produzem fenômenos espon-taneamente e sem nenhuma participação de sua vontade;

Médiuns facultativos – aqueles que têm o poder de provocá-los por ato da vontade.

Médiuns de influências morais – os que são mais especial-mente aptos a receber e transmitir comunicações inteligentes; distinguem-se, segundo sua aptidão especial, em:

Médiuns escreventes ou psicógrafos – os que têm a faculda-de de escrever sob influência dos Espíritos (v. Psicografia);

Médiuns pneumatógrafos– os que têm a faculdade de obter a escrita direta dos Espíritos (v. Pneumatografia);

Médiuns desenhadores – os que desenham sob a influência dos espíritos;8

Médiuns falantes – os que transmitem pela palavra o que os médiuns escreventes transmitem pela escrita;

Médiuns comunicadores – pessoas que têm o poder de de-senvolver nos outros, por sua vontade, a faculdade de es-crever, sejam ou não, elas mesmas, médiuns escreventes;

Médiuns inspirados – pessoas que, quer em estado normal, quer em estado de êxtase, recebem, pelo pensamento, co-municações ocultas, estranhas às suas idéias preconcebidas;

Médiuns de pressentimento – pessoas que, em certas circuns-tâncias, têm uma vaga intuição do que vai ocorrer no futu-ro;

Médiuns videntes – pessoas que têm a faculdade da segunda-vista ou a de ver os espíritos (v. Vista);

Médiuns sensitivos ou impressionáveis – pessoas susceptí-veis de sentir a presença dos espíritos por uma vaga impres-são que elas não podem explicar. Esta variedade não tem caráter bem delimitado; todos os médiuns são, necessaria-mente, impressionáveis; a impressionabilidade é, assim, an-tes uma qualidade geral do que especial. É a faculdade ru-dimentar indispensável ao desenvolvimento de todas as ou-tras; ela difere da impressionabilidade puramente física e nervosa, com a qual não se deve confundi-la.

Mediunato – missão providencial dos médiuns. Esta palavra foi criada pelos Espíritos.

Mediunidade [do lat. médium, meio, intermediário, –(i)dade] – 1. Faculdade que a quase totalidade das pessoas possuem, umas mais outras menos, de sentir a influência ou ensejarem a comunicação dos Espíritos. Raros são os que não possuem rudimentos de mediunidade. 2. Em alguns, essa faculdade é ostensiva e necessita ser disciplinada, educada; em outros, permanece latente, podendo manifestar-se episódica e eventual-mente (v. Medianimidade).

Metempsicose (do gr. meta, mudança, en, em, e psyché, al-ma) – transmigração da alma de um corpo para outro. “O dogma da metempsicose é de origem indiana. Da Índia esta crença

passou para o Egito, de onde, mais tarde, Pitágoras a importou para a Grécia. Os discípulos deste filósofo ensinavam que o Espírito, quando está liberto dos laços do corpo, segue para o império dos mortos, onde permanece à espera, em um estado intermediário, de duração mais ou menos longa. Em seguida vai animar outros corpos de homens ou de animais, até que transcor-ra o tempo de sua purificação e ele possa retornar à fonte da vida”. O dogma da metempsicose, como se vê, baseia-se na individualidade e na imortalidade da alma; encontra-se nele a doutrina dos espíritos sobre a reencarnação; o estado intermediá-rio, de duração mais ou menos longa, entre as diferentes existên-cias, outra coisa não é senão o estado de erraticidade no qual se encontram os Espíritos entre duas encarnações. Há, entretanto, entre a metempsicose indiana e a doutrina da reencarnação, tal qual nos é ensinada hoje em dia, uma diferença capital; em primeiro lugar, a metempsicose admite a transmigração da alma para o corpo dos animais, o que seria uma degradação; em segundo lugar, esta transmigração não se opera senão na Terra. Os Espíritos dizem-nos, ao contrário, que a reencarnação é um progresso incessante, que o homem é um ser cuja alma nada tem de comum com a alma dos animais, que as diferentes existências podem realizar-se, quer na Terra, quer, por uma lei progressiva, em um mundo de ordem superior, e isto, como diz Pitágoras, “até que haja transcorrido o tempo da purificação”.

Mitologia (do gr. mythos, fábula, e logos, discurso) – história fabulosa das divindades pagãs. Compreende-se igualmente sob este nome a história de todos os seres extra-humanos que, sob diversas denominações, sucederam aos deuses pagãos da Idade Média; é assim que temos a mitologia escandinava, teutônica, céltica, escocesa, irlandesa, etc..

Morte – aniquilamento das forças vitais do corpo pelo esgo-tamento dos órgãos. Ficando o corpo privado do princípio da vida orgânica, a alma se desprende dela e entra no mundo dos Espíritos.

Mundo corporal – conjunto de seres inteligentes que têm um corpo material.

Mundo espírita ou mundo dos Espíritos – conjunto de seres inteligentes despidos de seu invólucro corpóreo. O mundo espíri-ta é um mundo normal, primitivo, preexistente e sobrevivente a tudo. O estado corporal é, para os Espíritos, transitório e passa-geiro. Eles mudam de invólucro como nós mudamos de roupas; abandonam o que se estragou como pomos de lado um traje velho ou imprestável.

Necromancia (do gr. nekros, morte, e mantéia, adivinhação) – arte de evocar as almas dos mortos para obter delas revelações. Por extensão, esta palavra foi aplicada a todos os meios de adivinhação e qualifica-se de necromante quem quer que faça profissão de dizer o futuro. Isto depende, sem dúvida, de ter sido a necromancia, na verdadeira acepção da palavra, um dos primei-ros meios empregados para esse fim; em segundo lugar ao fato de serem as almas dos mortos, na crença vulgar, os principais agentes nos outros meios de adivinhação, tais como a quiroman-cia, adivinhação pela inspiração da mão, a cartomancia, etc.. O abuso e o charlatanismo desacreditaram a necromancia, assim como a magia.

Noctâmbulo, Noctambulismo (do lat. nox, noctis, a noite, e ambulare, marchar, passear) – aquele que marcha ou passeia durante a noite, dormindo; sinônimo de sonâmbulo. Esta última palavra é preferível, visto que noctâmbulo e noctambulismo não implicam, de modo algum, a idéia de sono.

Oráculo (do lat. os, oris, a boca) – resposta dos deuses, se-gundo as crenças pagãs, às questões que lhes eram dirigidas. A denominação justifica-se pelo fato de as respostas serem geral-mente transmitidas pela boca das Pitonisas (v. esta palavra). Por extensão, oráculo se dizia ao mesmo tempo da resposta, da pessoa que a pronunciava, assim como os dos diversos meios empregados para conhecer o futuro. Todo fenômeno extraordiná-rio, próprio para impressionar a imaginação, era julgado como a expressão da vontade dos deuses e se tornava oráculo. Os sacer-dotes pagãos, que não desprezavam nenhuma ocasião de explorar a credulidade, faziam-se seus intérpretes e consagravam a este fim, com solenidades, templos onde os fiéis vinham depositar

suas ofertas na esperança ilusória de conhecer o futuro. A crença nos oráculos teve evidentemente sua origem nas comunicações espíritas que o charlatanismo, a cupidez e o amor do domínio tinham cercado de prestígio, e que vemos hoje em toda a sua simplicidade.

Paraíso (do gr. paradeizos, jardim, vergel) – morada dos bem-aventurados. Os antigos o colocavam na parte dos infernos chamada Campos Elíseos (v. Inferno). Os povos modernos situam-no nas regiões elevadas do espaço. Esta palavra é sinô-nimo de Céu, tomado na mesma acepção, com a diferença de que a palavra Céu se liga a uma idéia de beatitude infinita, ao passo que a palavra paraíso é mais circunscrita e lembra gozos um pouco mais materiais. Diz-se ainda subir ao Céu, descer ao Inferno. Estas opiniões são fundadas na crença primitiva, fruto da ignorância, de que o universo é constituído de esferas concên-tricas, cujo centro é ocupado pela Terra; é nessas esferas, cha-madas Céus, que se colocou a morada dos justos; daí a expressão 5º e 6º céu para designar os diversos graus de beatitude. Mas, depois disto a ciência dirigiu seu olhar investigador até as pro-fundezas etéreas. Ela nos mostra o espaço universal sem limites, semeado de um número infinito de globos, entre os quais circula o nosso, ao qual nenhum lugar de distinção foi designado, e sem que haja, para ele, alto ou baixo. O sábio que não vê, em nenhu-ma parte, nem onde lhe haviam indicado, o Céu, mas tão-somente o espaço infinito e mundos inumeráveis; que não encon-tra nas entranhas da Terra, em lugar do Inferno, senão as cama-das geológicas nas quais sua formação está inscrita em caracteres irrefragáveis, pôs-se a duvidar do Céu e do Inferno, e daí à negação absoluta havia apenas um passo. A doutrina ensinada pelos Espíritos superiores está de acordo com a ciência. Ela não tem mais nada que fira a razão e esteja em contradição com os conhecimentos exatos. Ela mostra-nos a morada dos bons, não em local fechado, ou nessas pretensas esferas de que a ignorân-cia tinha cercado nosso globo, mas por toda parte onde há bons Espíritos, no espaço para os que são errantes, nos mundos mais perfeitos para os que estão encarnados: aí está o Paraíso Terres-tre, ali estão os Campos Elíseos, cuja idéia primitiva vem do

conhecimento intuitivo que havia sido dado ao homem desse estado de coisas, e que sua ignorância e seus preconceitos redu-ziram a mesquinhas proporções. Ela nos mostra os maus encon-trando o castigo de seus erros em sua própria imperfeição, em seus sofrimentos morais, na presença inevitável de suas vítimas, castigo mais horrível do que as torturas físicas incompatíveis com a doutrina da imaterialidade da alma; ela no-lo mostra expiando os seus erros pelas tribulações de novas existências corporais, que realizam em mundos imperfeitos, e não em um lugar de eternos suplícios de onde a esperança foi para sempre banida. Aí está o Inferno. Quantos homens nos têm dito: Se nos tivessem ensinado isto desde a nossa infância, nunca teríamos duvidado!

A experiência nos mostra que os Espíritos não são suficien-temente desmaterializados, estão ainda sob o império das idéias e dos preconceitos da existência corporal: aqueles que, em suas comunicações, empregam uma linguagem de acordo com as idéias cujo erro material está demonstrado provam com isso mesmo sua ignorância e sua inferioridade.

Penas eternas – os Espíritos superiores nos ensinam que só o bem é eterno, porque é a essência de Deus, e que o mal terá um fim. Por conseqüência deste princípio, combatem a doutrina da eternidade das penas como contrária à idéia que Deus nos dá de sua justiça e de sua bondade. Mas a luz não se faz para os Espíri-tos senão proporcionalmente à sua elevação: nas classes inferio-res suas idéias são ainda obscurecidas pela matéria; o futuro para eles está coberto por um véu. Não vêem senão o presente. Estão na posição de um homem que sobe uma montanha: no fundo do vale a neblina e as voltas do caminho limitam-lhe a vista; é-lhe preciso chegar ao cimo para descortinar todo o horizonte, avaliar o caminho que fez e o que lhe resta fazer. Os Espíritos imperfei-tos, não divisando o termo de seus sofrimentos, julgam sofrer sempre, e esse pensamento mesmo é um castigo para eles. Se, pois, certos Espíritos nos falam de penas eternas, é porque eles próprios crêem nelas em conseqüência de sua inferioridade.

Penates (do lat. penitus, interior, que está dentro; formado de penus, lugar retirado, escondido) – deuses domésticos dos anti-gos, assim chamados porque os colocavam no lugar mais retira-do da casa. Lares (do nome da ninfa Lara, porque os julgavam filhos dessa ninfa e de Mercúrio) eram, como os penates, deuses ou gênios domésticos, com a diferença de que os penates eram, em sua origem, os manes dos antepassados, cujas imagens se guardavam em um lugar secreto, ao abrigo da profanação. Os lares, gênios benfazejos, protetores das famílias e das casas, eram considerados como hereditários, pois que, uma vez ligados a uma família, continuavam a proteger-lhe os descendentes. Não somente cada indivíduo, cada família, cada casa tinha seus lares particulares, mas os havia também para as cidades, aldeias, ruas, edifícios públicos, etc., que eram colocados sob a invocação de tais ou tais lares, como são, entre os católicos, sob a de tal ou tal santo padroeiro.

Os lares e os penates, cujo culto se pode dizer que era univer-sal, embora sob nomes diferentes, não eram senão os Espíritos familiares cuja existência hoje nos é revelada; mas os antigos faziam deles deuses aos quais a superstição erigia altares, ao passo que, para nós, são simplesmente Espíritos que animaram homens como nós, algumas vezes nossos parentes e nossos amigos, e que se ligam a nós por simpatia (v. Politeísmo).

Perispírito (de peri, em redor, e spiritus, espírito) – invólu-crosemimaterial do Espírito depois da sua separação do corpo. O Espírito o tira do mundo em que se acha e o troca ao passar de um a outro; ele é mais ou menos sutil ou grosseiro, segundo a natureza de cada globo. O perispírito pode tomar todas as formas à vontade do Espírito; ordinariamente ele assume a imagem que este tinha em sua última existência corporal.

Embora de natureza etérea, a substância do perispírito é sus-ceptível de certas modificações que a tornam perceptível à nossa vista. É o que se dá nas aparições. Ela pode até, por sua união com o fluido de certas pessoas, tornar-se temporariamente tangí-vel, isto é, oferecer ao toque a resistência de um corpo sólido, como se vê nas aparições estereológicas ou palpáveis.

A natureza íntima do perispírito não é ainda conhecida; mas poder-se-ia supor que a matéria do corpo é composta de uma parte sólida e grosseira e de uma parte sutil e etérea; que só a primeira sofre a decomposição produzida pela morte, ao passo que a segunda persiste e segue o espírito. O espírito teria, assim, um duplo invólucro; a morte apenas o despojaria do mais gros-seiro; o segundo, que constitui o perispírito, conservaria o tipo e a forma da primeira, da qual ele é como a sombra; mas sua natureza essencialmente vaporosa permite ao espírito modificar esta forma à sua vontade, torná-la visível ou invisível, palpável ou impalpável.

O perispírito é, para o espírito, o que o perisperma é para o germe do fruto. A amêndoa, despojada do seu invólucro lenhoso, encerra o germe sob o invólucro delicado do perisperma.

Pítia, Pitonisa – sacerdotisa de Apolo Pítio, em Delfos, as-sim chamada por causa da serpente Pitão que Apolo havia mata-do. A Pítia dava os oráculos, mas como eles nem sempre eram inteligíveis, os sacerdotes se encarregavam de interpretá-los segundo as circunstâncias (v. Sibila).

Pneumatofonia(de pneumae de phoné, som ou voz) – co-municação verbal e direta dos Espíritos sem o auxílio dos órgãos da voz. Som ou voz que eles fazem ouvir no vago do ar e que parece ressoar em nossos ouvidos (v. Psicofonia).

Nota: Não empregamos a palavra pneumatologia, porque ela já tem uma acepção científica determinada e, ainda, porque esta palavra seria imprópria quando não se trata de sons vagos, não articulados.9

Pneumatografia(do gr. pneuma, ar, sopro, vento, espírito, e grafo, eu escrevo) – escrita direta dos Espíritos sem auxílio da mão do médium (v. Psicografia).

Politeísmo (do gr. polus, vários, e théos, Deus) – religião que admite vários deuses. Entre os povos antigos a palavra deus revela a idéia de poder; para eles todo poder superior ao vulgar era um deus. Mesmo os homens que haviam feito grandes coisas se tornavam deuses para eles. Manifestando-se os Espíritos por

efeitos que lhes pareciam sobrenaturais, eram a seus olhos outras tantas divindades, entre as quais é impossível deixar de reconhe-cer os Espíritos de todos os graus, desde os Espíritos batedores até os Espíritos superiores. Nos deuses de forma humana, que se transportavam através do espaço, mudavam de forma e se torna-vam visíveis ou invisíveis à vontade, reconhecem-se todas as propriedades do perispírito. Pelas paixões que lhes emprestavam, reconhecemos os Espíritos ainda não desmaterializados. Nos manes, lares e penates, reconhecemos nossos Espíritos familia-res, nossos gênios tutelares. O conhecimento das manifestações espíritas é, pois, a fonte do politeísmo. Todavia, desde a mais alta antigüidade os homens esclarecidos deram a esses pretensos deuses seu devido valor e neles reconheceram criaturas de um Deus supremo, soberano e senhor do mundo. Confirmando a doutrina da unidade de Deus e iluminando os homens com a sublime moral do Evangelho, assinalou o Cristianismo uma nova era na marcha progressiva da Humanidade. Entretanto, como os Espíritos não cessavam de manifestar-se, em lugar de deuses, os homens fizeram deles gênios e fadas.

Possesso – segundo a idéia ligada a essa palavra, o possesso é aquele no qual um demônio veio alojar-se. O demônio o possui; isso significa que o demônio apoderou-se-lhe do corpo (v. Demônio). Tomando o demônio não em sua acepção vulgar, mas no sentido de Espírito mau, Espírito impuro, Espírito malfazejo, Espírito imperfeito, tratar-se-ia de saber se um Espírito dessa natureza ou outro qualquer pode eleger domicílio no corpo de um homem conjuntamente com o que nele está encarnado, ou a ele se substituindo. Poder-se-ia perguntar que destino toma, neste último caso, a alma assim expulsa. A doutrina espírita diz que o Espírito unido ao corpo não pode dele ser separado definitiva-mente senão pela morte; que outro Espírito não pode colocar-se em seu lugar nem unir-se ao corpo simultaneamente com ele; mas ela diz também que um Espírito imperfeito pode ligar-se ao Espírito encarnado, assenhorear-se dele, dominar-lhe o pensa-mento, obrigá-lo, se ele não tem força para resistir-lhe, a fazer tal coisa, a agir em tal sentido; ele o constrange, por assim dizer, sob sua influência. Assim, não há possessão no sentido absoluto

da palavra, há subjugação; não se trata de desalojar um Espírito mau, mas, para servirmo-nos de uma comparação material, de fazê-lo largar a presa, o que sempre podemos fazer quando o desejamos seriamente; mas há pessoas que se comprazem numa dependência que lhes lisonjeia os gostos e os desejos.

A superstição vulgar atribui à possessão do demônio certas doenças que não têm outra causa senão uma alteração dos ór-gãos. Esta crença era muito difundida entre os judeus. Para eles, curar essas doenças era expelir os demônios. Qualquer que seja a causa da doença, contanto que a cura se dê, isto nada tira do poder daquele que a opera. Jesus e seus discípulos podiam, pois, dizer que expeliam os demônios, para se servirem da linguagem usual. Falando de outra maneira, não teriam sido compreendidos, nem, talvez, mesmo acreditados. Uma coisa pode ser verdadeira ou falsa, conforme o sentido atribuído às palavras. As maiores verdades podem parecer absurdas quando se considera apenas a forma.

Prece – a prece é uma invocação e, em certos casos, uma e-vocação, pela qual chamamos a nós tal ou tal Espírito. Quando é dirigida a Deus, ele nos envia seus mensageiros, os Bons Espíri-tos. A prece não pode revogar os decretos da Providência; mas por ela os bons Espíritos podem vir em nosso auxílio, quer para dar-nos a força moral que nos falta, quer para sugerir-nos os pensamentos necessários; daí vem o alívio que experimentamos quando oramos com fervor. Daí vem também o alívio que expe-rimentam os Espíritos sofredores quando oramos por eles; eles mesmos pedem essas preces sob a forma que lhes é familiar e que está mais em relação com as idéias que conservaram de sua existência corporal; mas a razão, de acordo nisto com os Espíri-tos, nos diz que a prece dos lábios é uma fórmula vã quando dela o coração não toma parte.

Provas – vicissitudes da vida corporal pelas quais os Espíri-tos se purificam segundo a maneira pela qual as suportam. Segundo a doutrina espírita, o Espírito desprendido do corpo, reconhecendo sua imperfeição, escolhe ele próprio, por ato de seu livre arbítrio, o gênero de provas que julga mais próprio ao

seu adiantamento e que sofrerá em sua nova existência. Se ele escolhe uma prova acima de suas forças, sucumbe, e seu adian-tamento retarda.

Psicografia (do gr. psyché, borboleta, alma, e graphô, eu es-crevo) – transmissão do pensamento dos Espíritos por meio da escrita, pela mão de um médium. No médium escrevente a mão é o instrumento, mas sua alma, ou o espírito nele encarnado é o intermediário ou o intérprete do Espírito estranho que se comu-nica; na pneumatografia, é o Espírito estranho mesmo quem escreve, sem intermediário (v. Pneumatografia).

Psicografia imediata ou direta – quando o próprio médium escreve pegando o lápis como para a escrita ordinária;

Psicografia mediata ou indireta – quando o lápis é adaptado a um objeto qualquer que serve, de certo modo, de apêndice à mão, como uma cesta, uma prancheta, etc..

Psicologia – dissertação sobre a alma; ciência que trata da natureza da alma. Esta palavra seria para o médium falante o que a psicografia é para o médium escrevente, isto é, a transmissão do pensamento dos Espíritos pela voz de um médium. Todavia, como ela já tem uma acepção consagrada e bem definida, não convém dar-lhe outra (v. Psicofonia).

Psicofonia(do gr. psyché, alma e phonê, som ou voz) – transmissão do pensamento dos Espíritos pela voz de um mé-dium falante.

Pureza absoluta – estado dos Espíritos da primeira ordem ou puros espíritos: os que percorreram todos os graus da escala e não têm que sofrer mais encarnação.

Purgatório (do lat. purgatorium, efeito de purgare, purgar; raiz purus, puro, que se deriva do gr. pyr, pyrus, fogo, antigo emblema da purificação) – lugar de expiação temporária, segun-do a Igreja Católica, para as almas que têm ainda que purificar-se de algumas manchas. A Igreja não define de um modo preciso o lugar onde se acha o Purgatório. Ela o coloca em toda parte, no espaço, talvez ao nosso lado. Ela não se explica mais claramente sobre a natureza das penas ali sofridas; são sofrimentos mais

morais do que físicos. Há, entretanto, fogo, mas a alta teologia reconhece que esta palavra deve ser tomada em sentido figurado e como emblema de purificação. O ensino dos Espíritos é muito mais explícito a este respeito; eles rejeitam, e verdade, o dogma da eternidade das penas (v. Inferno, penas eternas), mas admi-tem uma expiação temporária, mais ou menos longa, que não é outra coisa, salvo o nome, senão o purgatório. Esta expiação se realiza pelos sofrimentos morais da alma no estado errante; os Espíritos errantes estão por toda parte: no espaço, ao nosso lado, como diz a Igreja. A Igreja admite no purgatório certas penas físicas; a doutrina espírita diz que o Espírito se purifica, se purga de suas impurezas em suas existências corporais; os sofrimentos e as tribulações da vida são as expiações e as provas pelas quais eles se elevam, de onde resulta que aqui na Terra estamos em pleno purgatório. O que a doutrina católica deixa no vago, os Espíritos precisam, fazem-nos tocar com o dedo e ver com os olhos. Os Espíritos que sofrem podem, pois, dizer que estão no purgatório, para servirem-se da nossa linguagem. Se, em razão de sua inferioridade moral, não lhes é dado ver o termo de seus sofrimentos, eles dirão que estão no Inferno (v. Inferno).

A Igreja admite a eficácia das preces pelas almas do purgató-rio. Os Espíritos dizem-nos que pela prece chamamos os bons Espíritos, que dão aos fracos a força moral que lhes falta para suportar suas provas. Os Espíritos sofredores podem pedir preces sem que haja nisto contradição com a doutrina espírita; ora, conforme o que conhecemos dos diferentes graus dos Espíritos, compreendemos que eles podem pedi-las segundo a forma que lhes era familiar durante a vida (v. Prece).

A Igreja não admite senão uma existência corporal, depois da qual a sorte do homem é irrevogavelmente fixada por toda a eternidade. Os Espíritos nos dizem que uma só existência, cuja duração, muitas vezes abreviada pelos acidentes, não passa de um ponto na eternidade, não basta à alma para purificar-se completamente, e que Deus, em sua justiça, não condena sem remissão aquele de quem não dependeu, muitas vezes, ser con-venientemente instruído sobre o bem, para praticá-lo. Sua dou-trina deixa à alma a faculdade de realizar, em uma série de

existências, o que ela não pode realizar em uma só: aí está a diferença. Mas, se se escrutassem com cuidado todos os princí-pios dogmáticos, e se se levasse sempre em conta a parte que deve ser tomada em sentido figurado, muitas contradições apa-rentes desapareceriam.

Reencarnação – volta dos Espíritos à vida corporal. A reen-carnação pode dar-se imediatamente depois da morte, ou após um lapso de tempo mais ou menos longo, durante o qual o Espírito permanece errante. Pode dar-se nesta Terra ou em outras esferas, mas sempre em um corpo humano, e nunca no de um animal. A reencarnação é progressiva ou estacionária; nunca é retrógrada. Em suas novas existências corporais o Espírito pode decair em posição social, mas não como Espírito, isto é, de senhor pode nascer servidor, de príncipe, artífice, de rico, mise-rável, mas progredindo sempre em ciência e moralidade. Deste modo o criminoso pode tornar-se homem de bem, mas o homem de bem não pode tornar-se um criminoso.

Os Espíritos imperfeitos, que estão ainda sob a influência da matéria, nem sempre têm sobre a reencarnação idéias perfeitas. A explicação que oferecem se ressente de sua ignorância e dos preconceitos terrestres, pouco mais ou menos como se daria relativamente a um camponês a quem se perguntasse se é a Terra ou o Sol que gira. Eles têm apenas uma lembrança confusa de suas existências anteriores e o futuro se lhes apresenta extrema-mente vago (sabe-se que a lembrança das existências passadas se elucida à medida que o Espírito se purifica). Alguns falam ainda das esferas concêntricas que cercam a Terra e nas quais o Espíri-to, elevando-se gradativamente, chega ao sétimo céu, que é, para eles, o apogeu da perfeição. Mas no meio da diversidade das expressões e da extravagância das figuras, uma observação atenta deixa reconhecer facilmente um pensamento dominante, o das provas sucessivas que o Espírito deve sofrer e dos diversos graus que deve percorrer para chegar à perfeição e à suprema felicidade. Muitas vezes as coisas só nos parecem contraditórias porque não lhes sondamos o sentido íntimo.

Religião

– Vide Nota Especial no final deste Vocabulário Espírita.

Satã (do hebreu chaitán, adversário, inimigo de Deus) – o chefe dos demônios. Esta palavra é sinônimo de diabo, com a diferença de que este último vocábulo pertence mais do que o primeiro à linguagem familiar. Em segundo lugar, de acordo com a idéia ligada a esta palavra, Satã é um ser único: o gênio do mal, o rival de Deus. Diabo é um termo mais genérico, que se aplica a todos os demônios. Há somente um Satã (ou Satanás), porém há vários diabos. Segundo a doutrina espírita, Satanás não é um ser distinto, pois Deus não tem rival com quem possa medir-se, poder contra poder. Satã é a personificação alegórica do mal e de todos os maus Espíritos (v. Diabo, Demônio).

Segunda-vista – efeito da emancipação da alma que se mani-festa no estado de vigília. Faculdade de ver as coisas ausentes como se estas estivessem presentes. Aqueles que dela são dota-dos não vêem pelos olhos, mas pela alma, que percebe a imagem dos objetos por toda parte onde ela se transporta, e como por uma espécie de miragem. Esta faculdade não é permanente. Certas pessoas a possuem sem saber: ela parece-lhes um efeito natural, e produz o que denominamos visões.

Sematologia (do gr. sema, semato, sinal, e logos, discurso) – transmissão do pensamento dos Espíritos por meio de sinais, tais como pancadas, batidas, movimentos de objetos, etc. (v. Tiptolo-gia).

Serafim (v. Anjos).

Sibilas (do gr. eoliosios, empregado por théos, Deus, e de léouli, conselho; conselho divino) – eram profetisas que forneci-am os oráculos e que os antigos julgavam inspiradas pela Divin-dade. Levando em conta a parte de charlatanismo e o prestígio com que as cercavam aqueles que as exploravam, reconhece-se nas sibilas e nas pitonisas todas as faculdades dos sonâmbulos, dos extáticos e de certos médiuns.

Silvos, Sílfides – segundo a mitologia céltica e germânica da Idade Média, os silfos eram os gênios do ar, como os gnomos eram os da terra e as ondinas os das águas. Eram representados

sob forma humana, semivaporosa, com traços graciosos, asas transparentes; eram o símbolo da rapidez com a qual percorrem o espaço. Atribuía-se-lhes o poder de se tornarem visíveis à vonta-de. Seu caráter era doce e afável. “Não duvideis da multidão de silfos ligeiros que tendes às vossas ordens. Continuamente ocupados em recolher vossos pensamentos, mal pronunciais uma palavra e eles dela se apoderam, indo repeti-la por toda parte em redor de vós. Sua ligeireza é tão grande que eles percorrem mil passos em um segundo São os silfos de Paracelso e de Gaba-lis.” (A. Martin).

Sonambulismo (do lat. somnus, sono, e ambulare, marchar, passear) – estado de emancipação da alma mais completo do que no sonho (v. Sonho).

O sonho é um sonambulismo imperfeito. No sonambulismo a lucidez da alma, isto é, a faculdade de ver, que é um dos atribu-tos de sua natureza, é mais desenvolvida, Ela vê as coisas com mais precisão e nitidez, o corpo pode agir sob o impulso da vontade da alma.

O esquecimento absoluto no momento do despertar é um dos sinais característicos do verdadeiro sonambulismo, visto que a independência da alma e do corpo é mais completa do que no sonho.

Sonambulismo natural – o que é espontâneo e se produz sem provocação e sem influência de nenhum agente exterior.

Sonambulismo magnético ou artificial – o que é provocado pela ação que uma pessoa exerce sobre outra, por meio do fluido magnético que esta derrama sobre aquela.

Sonho – efeito da emancipação da alma durante o sono. Quando os sentidos ficam entorpecidos, os laços que unem o corpo e a alma se afrouxam. Esta, tornando-se mais livre, recu-pera, em parte, suas faculdades de Espírito e entra mais facil-mente em comunicação com os seres do mundo incorpóreo. A recordação que ela conserva ao despertar, do que viu em outros lugares e em outros mundos, ou em suas existências passadas, constitui o sonho propriamente dito. Sendo esta recordação

apenas parcial, quase sempre incompleta e entremeada com recordações da vigília, resultam daí, na seqüência dos fatos, soluções de continuidade que lhes rompem a concatenação e produzem esses conjuntos estranhos que parecem sem sentido, pouco mais ou menos como seria a narração à qual se houvessem truncado, aqui e ali, fragmentos de linhas ou de frases.

Soniloquia(do lat. somnus, sono, e loqui, falar) – estado de emancipação da alma intermediário ao sono e ao sonambulismo natural. Aqueles que falam sonhando são soníloquos.

Sono natural – suspensão momentânea da vida de relação. Entorpecimento dos sentidos durante o qual são interrompidas as relações da alma com o mundo exterior por meio dos órgãos.

Sono magnético – atuando sobre o sistema nervoso, o fluido magnético produz, em certas pessoas, um efeito que se comparou ao sono natural, mas que difere dele essencialmente em muitos pontos. A principal diferença consiste em que, neste estado, o pensamento se encontra inteiramente livre, o indivíduo tem um conhecimento perfeito de si mesmo e o corpo pode agir como no estado normal, o que é devido a que a causa fisiológica do sono magnético não é a mesma que a do sono natural. Contudo o sono natural é um estado transitório que precede sempre o sono mag-nético, a passagem de um a outro é um verdadeiro despertar da alma. Eis por que aqueles que são postos pela primeira vez em sonambulismo magnético respondem quase sempre não a esta pergunta: “dormis?” E, com efeito, visto que vêem e pensam livremente, para eles isso não é dormir no sentido vulgar da palavra.

Superstição – por absurda que seja, uma idéia supersticiosa repousa quase sempre sobre um fato real, mas que a ignorância desnaturou, exagerou ou interpretou falsamente. Seria um erro pensar que vulgarizar o conhecimento das manifestações espíri-tas é propagar superstições. De duas coisas uma: ou esses fenô-menos são uma quimera, ou são reais. No primeiro caso seria razoável combatê-los. Mas, se existem, como o demonstra a experiência, nada os impedirá de se produzirem. Como seria pueril opor-se a fatos positivos! O que se deve combater não são

os fatos, mas a falsa interpretação que a ignorância pode dar-lhes. Sem dúvida, nos séculos remotos, eles foram origem de uma multidão de superstições, como aliás, todos os fenômenos naturais, cuja causa era desconhecida. O progresso das ciências positivas de pouco em pouco destrói parte dessas superstições. A ciência espírita, sendo cada vez mais divulgada, fará desaparecer as restantes.

Os adversários do Espiritismo apóiam-se no perigo que esses fenômenos representam para a razão. Todas as causas capazes de abalar as imaginações fracas podem produzir a loucura. O que nos compete, antes de tudo, é eliminar essa doença à qual cha-mamos medo. Ora, o meio de conseguir isto não é exagerar o perigo fazendo crer que todas essas manifestações são obra do diabo. Aqueles que propagam esta crença com o intuito de desacreditá-la erram completamente o alvo, pois que atribuir uma causa qualquer aos fenômenos espíritas é reconhecer-lhes a existência. Em segundo lugar, querendo persuadir que o diabo é o único agente deles, afeta-se perigosamente o moral de certos indivíduos. Como não se impedirá que as manifestações se produzam, mesmo entre aqueles que não se quiserem ocupar com elas, essas pessoas só verão por toda parte, em redor de si, diabos e demônios até nos fatos mais simples, que tomarão por manifestações. E isso não deixará de lhes perturbar o cérebro. Tornar crível essa crença é propagar o mal do medo, em lugar de curá-lo. Nisto está o verdadeiro perigo, nisto a superstição.

Taumaturgo (do gr. thauma, thaumatos, maravilha, e ergon, obra) – fazedor de milagres: São Gregório Taumaturgo. Diz-se, às vezes, por ironia, daqueles que, com ou sem razão, se gabam de ter o poder de produzir fenômenos fora das leis da natureza. É neste sentido que certas pessoas qualificam Swedenborg de taumaturgo.

Telegrafia humana – comunicação à distância entre duas pessoas vivas, que se evocam reciprocamente. Esta evocação provoca a emancipação da alma, ou do Espírito encarnado, que vem se manifestar e pode comunicar seu pensamento pela escrita ou por outro qualquer meio. Os Espíritos dizem-nos que a tele-

grafia humana será um dia um meio usual de comunicação, quando os homens forem mais moralizados, menos egoístas e menos presos às coisas materiais. Até que esse estado seja alcan-çado, a telegrafia humana será um privilégio de almas de escol.

Tendências inatas – tendências, idéias ou conhecimentos não adquiridos que, parece, trazemos ao nascer. Há muito tempo discutem-se as tendências inatas, cuja realidade é combatida por certos filósofos que pretendem sejam todas adquiridas. Se assim fosse, como explicar certas disposições naturais que se revelam muitas vezes desde a mais tenra idade e independentemente de qualquer educação? Os fenômenos espíritas lançam uma grande luz sobre esta questão. A experiência não deixa dúvida alguma, hoje em dia, sobre estas espécies de tendências que encontram sua explicação na sucessão das existências. Os conhecimentos adquiridos pelo Espírito nas existências anteriores se refletem nas existências posteriores através do que denominamos tendên-cias inatas.

Todo universal, ou grande todo – segundo a opinião de cer-tos filósofos, há uma alma universal, da qual cada um de nós possui uma parcela. Com a nossa morte, todas essas almas particulares voltam à fonte geral, sem conservar sua individuali-dade, como as gotas da chuva se confundem nas águas do ocea-no. Esta fonte comum é, para eles, o grande todo, o todo univer-sal. Esta doutrina é tão desalentadora quanto o materialismo, uma vez que, sem a individualidade depois da morte, é, sem dúvida, como se não existíssemos. O Espiritismo é a prova patente do contrário. Mas a idéia do grande todo não implica, necessariamente, a da fusão dos seres em um só. Um soldado que volta ao seu regimento entra no todo coletivo, mas não deixa, por isso, de conservar sua individualidade. O mesmo se dá com as almas que entram no mundo dos Espíritos, que para elas é, igualmente, um todo coletivo: o todo universal. É neste sentido que deve ser entendida esta expressão na linguagem de certos Espíritos.

Transmigração (v. Reencarnação, Metempsicose).

Vidente – aquele ou aquela que é dotado de segunda-vista. Algumas pessoas designam sob este nome os sonâmbulos mag-néticos para melhor lhes caracterizar a lucidez. Esta palavra, nesta última acepção, pouco mais vale do que o adjetivo invisí-vel aplicado aos Espíritos. Tem o inconveniente de não ser especial ao estado sonambúlico. Quando se tem um termo para exprimir uma idéia, é supérfluo criar outro. É preciso, sobretudo, evitar desviar as palavras de sua acepção consagrada.

Comentários

Deixe seu comentário