Psicografia – Relato

Agradeço a chance que recebi de estar aqui neste dia. Pedi a permissão para contar a vocês um pouco da minha história. E essa permissão foi concedida. Hoje eu já compreendo um pouco e sei que se a espiritualidade que cuidou tão bem de mim permitiu que eu,mesmo ainda em tratamento na erraticidade aqui viesse, é porque vocês meus irmãos, poderão fazer bom uso das palavras que aqui trarei embargadas de emoção.

Nasci nem sei dizer a quanto tempo. Mas nasci em uma família feliz, cristã, que me ensinou desde muito cedo que Deus Pai é nosso criador e que somente através Dele conseguiríamos viver bem nossa vida. Uma família que me ensinou o respeito ao próximo, o amor, a caridade e a fé.  No decorrer da minha vida, fui buscando fazer tudo o que aprendi com meu eterno e amado pai e com a doce e bondosa minha mãe. Sempre fui uma jovem inteligente, cheia de garra, de fibra e busquei aprender tudo o que a vida e a ciência podia me ensinar. Sou grata a ela, porque foi através do conhecimento que busquei um bom emprego, conquistei boa e grande carreira, bens materiais, carro, casas e farras.

Cumpria minhas obrigações que na infância aprendi com meus pais. Fazia as orações, cumpri todos os mandamentos que a lei de Moisés nos deixou. O que não sabia, é que o tempo passava e eu, não procurava entender o porquê de cada coisa, de cada situação. Meus amigos, minha vida era uma vida boa, cheia de regalias. Muito dinheiro, mas nunca deixei de cumprir com minhas obrigações.

Construí família e procurei dar a cada um deles o bom e o melhor para que assim bem vivessem. Naquele momento para mim, bem viver era ter uma boa e grande casa, um bom e novo carro, dinheiro o suficiente para festas para amigos e parentes. Aos poucos, fui sendo engolida por um mundo que me afastava do meu ser interior, do meu eu, da minha essência. Mas eu só descobri isso quando aqui cheguei. Desconfio que não faz muito tempo, mas infelizmente não posso precisar.  E quando percebi, não conseguia aceitar. Como eu, uma pessoa que praticava a caridade, cumpria suas obrigações poderia sofrer tanto? Não conseguia entender a aceitar que aquela era a justiça de Deus. E então veio a revolta. E todos esses sentimentos me deixavam ainda pior. Ate que de tanto sofrer e penar, pude abrir pela primeira vez em toda minha vida o meu coração.

E nesse momento, mesmo revoltada, questionava a Deus porque tamanho sofrimento. Disse a Ele que eu aceitaria se Ele por misericórdia me mostrasse onde foi meu erro e que me tirasse daquele vale de sofrimento que habitava dentro de mim. Sim, o vale de tristeza e sofrimento estava dentro de mim, não adiantava, onde quer que eu fosse aquele sofrimento me acompanhava.  Eu vaguei por dias e noites, corri, andei , rastejei, procurando abrigo, mas não encontrava. Tentava me ver livre do sofrimento, mas ele se tornara eu mesma.

Mas naquele momento que abri o coração, pude sentirpor alguns segundos a paz e a luz. E sabendo que era possível me ver livre de tanto sofrimento, me empenhei. Busquei no silencio da minha dor, as orações que não podiam sair da boca, mas emanavam do meu coração. E foi ali naquele tormento que aceitei a ajuda que próximo a mim estava desde sempre, mas que eu não pude perceber.

E quando fui invadido pelo auto perdão e pela misericórdia divina, veio a maior dor, o sofrimento mais terrível: perceber o que eu havia feito da minha vida. Perceber que desperdiçara uma preciosa oportunidade, de reconstruir o que de melhor eu poderia ser. Percebi que aquela haveria sido a encarnação onde os técnicos me auxiliaram e permitiram que as penas fossem leves para que eu pudesse vencer minhas mazelas mais profundas: o orgulho, a ganância e o egoísmo. Permitiram que eu nascesse no seio de uma família bem estruturada que me mostrasse o caminho do bem. Ensinaram-me tudo, tentaram me auxiliar, mas eu fiz da minha maior evolução espiritual a mais trágica.

Meus irmãos vocês não podem imaginar a dor que assolou meu coração quando pude ver que eu nada fizera, quando me foi permitido ver, para meu próprio crescimento, os irmãos que deixei de ajudar com minhas palavras e os exemplos que deixei de dar. Me mostraram que as ajudas financeiras que fiz pensando ser caridade, de muito pouco valeram, que a obrigações religiosas que fiz durante toda minha vida não foram o suficiente para fazer com que eu mesma crescesse como poderia.Amigos, aquela vida me proporcionaria a minha maior evolução espiritual e pessoal. Mas por uma sutil indisciplina e desatenção de minha parte só me fez regredir.

Mas essa dor, eu tenho superado a cada da com muito estudo e muitas preces. Aqui onde me encontro, estudamos em como não falhar quando dentre vocês retornarmos. Esses ensinamentos ficarão no consciente do meu períspirito. E com certeza, quando retornar não quer falhar.

Meus irmãos, não percam a oportunidade. Essa pode ser sua encarnação onde você poderá ter seu maior crescimento.

Aqui vim visitar porque quero deixar minha contribuição. Quero dividir essa minha encarnação com vocês através de um livro que os presentearei com a permissão da amiga espiritualidade. Aqui procuro auxilio e forças para colocar meu projeto nas mãos de quem possa me ajudar.

Não esqueçam: essa á sua melhor encarnação.

 

Um abraço fraterno da irmã Maria Adelaide

Esta mensagem foi recebida na reunião mediúnica do Centro Espírita Jesus de Nazaré. Ela serve para todos nós fazermos uma reflexão sobre o trabalho que estamos fazendo.

 

Comentários

Deixe seu comentário