fbpx
Contato: (37) 3214-8985 - Endereço: Rua do Cobre, 57, Niterói – Divinópolis MG, CEP: 35500-222 PIX para doações: CNPJ 13.414.748/0001-82

Carta psicografada em 28-08-2020

Bem se sabe que a vida é feita de escolhas, escolhas essas que trarão consequências boas ou ruins. Não cobrar do outro a capacidade que nele ainda não foi desenvolvida, também é uma grandiosa maneira de trabalhar o auxílio. Lembrar que o castigo não existe, mas que a colheita é obrigatória é um grande passo para que possamos observar o que estamos plantando. Cada um quando chega este mundo físico já traz consigo todos os planos e também toda a formação do caráter, em alguns este caráter pode ser alinhado pela família, no caso o pai e a mãe. Mas nem sempre é possível para àqueles que ainda não possuem um conhecimento maior e apesar de grande esforço ainda traz consigo as mazelas de um passado obscuro e plantado em uma grande escuridão. Rezemos para aqueles que nos rodeiam e trazem consigo grandes mazelas. Rezemos também para aqueles que conseguiram uma colheita mais farta. E lembremos que tudo nos é dado de acordo com o nosso merecimento, então não cobre aquilo que não é seu por direito. Olhe o que tens plantado para não reclamar do que tens colhido. Acorde enquanto há tempo, pois Deus sempre nos dará a oportunidade do recomeço, mesmo que por algum motivo tenhamos certeza que não merecemos. Todos merecemos o benefício da dúvida. Fiquem em paz com as bençãos do mestre Jesus.   Psicografia realizada no Centro Espírita Jesus de Nazaré no dia 28-08-2020

2020-08-30T19:42:19+00:00agosto 30th, 2020|Psicografia|

Mensagem psicografada na Reunião Mediúnica de 28/02/2020, no CENTRO ESPÍRITA JESUS DE NAZARÉ

Mensagem psicografada na Reunião Mediúnica de 28/02/2020, no CENTRO ESPÍRITA JESUS DE NAZARÉ “Meus amados irmãos, que a paz do grande Mestre esteja conosco”. Hoje venho trazer-lhes algumas palavras e espero que possamos refletir e sobretudo que estas reflexões nos levem as mudanças. Não mudanças abruptas, diante da consciência que temos de quão difícil é a reforma de nossa essência àquilo que realmente somos. O que objetivamos nessa noite é que possamos retornar a nossos lares com olhares mais serenos e mãos mais apaziguadoras. Queridos, diante de nossa evolução espiritual, por vezes nos colocamos em condição de maior aprimoramento diante dos animais, também filhos do mesmo Pai. Mas tomemos-os como exemplo. Observem os pássaros. Após lançarem mão do zelo e do cuidado com os filhotes, deixam-os voar. Os filhotes depois de receberem o alimento do carinho e do cuidado, entendendo com isso o sentido do amor ao próximo, voam. E cada um, pais e filhotes voam a jornadas distintas. Cada um cumprindo sua jornada, Voando por ares que lhes são necessários. A matilha. Observemos a matilha que caminha junto para que melhor enfrentem os desafios da sobrevivência, mas que ao finalizarem sua jornada, desbravam novos caminhos sem apego e sem perder de vista toda a sua condição primitiva: sobrevivência. As abelhas, que do seu trabalho, extraímos o verdadeiro e puro mel, que tão bem alimenta a todos nós que nos colocamos em condição de privilégio diante delas. As abelhas não perdem jamais a certeza que lhes fora ensinado: trabalho é que gera o fruto. Portanto queridos, entendamos que é em nosso lar, com nossa família, pais e filhos que aprendemos o verdadeiro amor. E fora Deus que com sua soberana sabedoria e misericórdia permitiu-nos e nos presenteou com o seio da família. Afinal não há lugar melhor para depurarmos

2021-09-08T17:27:56+00:00março 1st, 2020|Psicografia|

Carta de um Suicida

Carta de um Suicida Eu desejaria ter forças para gritar ao Mundo inteiro: a Morte não existe! Meu coração se encontra ainda opresso e sofrido. Quanta saudade! Minha mente vazia e oca de pensamentos dignos me faz recordar o dia fatídico. Ah, se eu pudesse voltar atrás! O que eu não daria para estar novamente naquela janela do 18o andar e ter alguém que me dissesse: Não vá! Não pule! Você é importante para mim! Quanto é duro acordar para a realidade da vida e saber que os meus anseios eram apenas ilusão. A vida continua. Os meus problemas se intensificaram, as minhas dores triplicaram. Sim, dores quase físicas: meus ossos quebrados e esfacelados da queda, o sangue a jorrar intermitente. O que fizera eu contra mim mesmo? Pudera eu voltar atrás! Pudera eu ter a experiência de volta. Tudo estava se findando, faltavam algumas semanas para que os supostos problemas pudessem se amainar. Quão duras são as provas da vida, mas posso garantir que as do lado de cá são muito piores quando passamos por essa fieira. Não vale à pena retirarmos a vida física em hipótese alguma, ainda mais por alguém, alguém que não nos soube dar valor, alguém que não nos desejou, alguém que optou por outros caminhos. A nossa vida não tem preço. A nossa vida física é oportunidade divina que nos foi confiada para levarmos a nossa cruz até o fim. Por isso, venho escrever essa carta, falando do meu arrependimento, falando das minhas dores físicas e morais. Não vale a pena o suicídio! O auto extermínio é ato impensado de quem não está com o juízo da cabeça. Convido a pensarem naqueles que ficam. Corações quebrantados de dor, outros culpados por não terem feito mais, outros, ainda, desesperados porque podiam mudar alguma coisa

2019-08-16T20:39:23+00:00agosto 16th, 2019|Artigos, Psicografia|

Carta Psicografada em 04/01/2019

Meus queridos irmãos da abençoada Casa de Deus Jesus de Nazaré, que a paz seja conosco! Hoje é um dia de muita festa e alegria em meu coração. Ao mesmo tempo em que é também um momento de aperto no coração, pois estarei hoje de partida desse lugar que tão bem me acolheu. Há muitos tempos, ao desfazer-me da carne, senti muitas dores. Senti frio, sede, fome, dores por todo o corpo. E foi só no momento em que entendi que tratavam-se de dores da alma e não do corpo, que percebi que já não estava entre os vivos e desejava compreensão e auxilio. Quando veio o auxilio foi para essa casa, ainda em construção física que fui conduzido. A construção física começava, mas a espiritual já existia há muito tempo. Aqui fui acolhido, Recebi acolhimento do coração, acolhimento para minhas dores e principalmente para as minhas inúmeras dúvidas. Me senti muito bem e aos poucos fui absorvendo tarefas. Participei da edificação dos trabalhos. Fiz trabalhos de limpeza, de cozinha, de sopa, de recepção aos irmãos que cada vez em maior numero se aportavam aqui. Trabalhei também no acolhimento aos irmãos que assim como eu, chegavam em pedaços. Alguns doentes do corpo, outros da alma. Muitos sem sequer saber de sua condição, outros revoltados, com remorso, rebeldes e ate vingativos. Mas como pude aprender com cada irmão trabalhador, que fizeram questão de se mostrarem em evolução assim como eu, embora fosse perceptível sua real condição evolutiva, que estava bem a minha frente! Aqui nesse lar, além de trabalhar, fiz e reconheci inúmeros amigos espirituais, reencontrei alguns familiares e mesmo de longe pude ajudar a alguns familiares encarnados. Além de todo trabalho e amizade, pude estudar muito. Meus irmãos, eu vim para cá ignorante, como uma criança que mal sabe

2019-01-16T22:52:36+00:00janeiro 19th, 2019|Psicografia|

Carta Psicografada em 28/12/2018

O novo do velho, o velho do novo. Quando surge um sol no amanhecer, é possível perceber a nova oportunidade concebida pelo grande Criador, Deus nosso Pai. O sol é o mesmo outrora captado pelas energias necessárias para que todo ser necessitasse. No entanto, mesmo sendo o mesmo o sol, os raios que dele emanam nunca são nem serão iguais. Trata-se de novo do velho. Quando nasce uma nova flor, embora esteja em uma nova oportunidade, trata-se de uma mesma flor que outrora germinou em solo fértil, a fim de buscar com a permissão Divina, sua evolução. A cada amanhecer, é um novo dia. E o Mestre Jesus, já nos ensinara por meio do Consolador Prometido, que haveriam outras oportunidades. Deus nos concedeu além de tudo novas oportunidades, de uma nova existência. Trata-se do novo do velho. No entanto meus irmãos, a essência do sol, a essência da flor, do dia que nasce e de cada um de nos é a mesma. Não há nada de novo quando um sol nasce, quando um ser reencarna e busca uma nova existência. É o velho do novo. Nossa essência é a mesma, oriunda do Grande Tutor de todo o universo e o que Nele habita. O que ha de novo é a vontade de evoluir, de crescer e de aprender. O que há de novo é a oportunidade de fazermos de nós mesmos o que há de mais próximo do velho que há em nós: Nossa verdadeira essência. Meus irmãos, que possamos com o novo do velho que surge, fazermos o bem, buscarmos nossa evolução baseada na caridade, pois essa é a chave para nosso caminho. Que possamos aproveitar as novas oportunidades que nos vem todos os dias, todos os instantes de nos portarmos como verdadeiros filhos de Deus, levando o

2019-01-16T22:50:52+00:00janeiro 16th, 2019|Psicografia|

Carta psicografada em reunião mediúnica dia 16 de março de 2018.

O vento bate na janela de todas as casas na colônia onde nós residimos hoje e nos deixa uma brisa de paz, amor e alento ao coração, para que saibamos que os momentos de estudo e busca de entendimento começara. É no raiar do dia que os nossos olhos se abrem e nossa mente se abre para o entendimento e a luz do esclarecimento. Aqui há muitos lares, muitas famílias espirituais que se uniram pelo amor, hora fortificado e hora adoentada.  Unimo-nos pelo único amor de Cristo e nos preparamos para mais aprendizados.  Quando para cá retornamos, era muita escuridão, muita dor e dúvidas. Alguns de nós vagaram por noites e dias em busca do livramento de muito sofrimento. Fugíamos de nós mesmos e queríamos encontrar a verdade e a paz.  Fomos socorridos, fomos acolhidos e orientados. Aos poucos, nossa energia era reestabelecida e o entendimento do que nos acontecera foi ficando mais claro. Quando um já estava forte o suficiente, participava do resgate do outro. E assim, o aprendizado vai tornando nossa vivência na erraticidade mais serena e proveitosa. Mas não foi fácil e não é fácil para ninguém. As dúvidas são diversas, e elas nos impedem de enxergar a misericórdia enviada por Deus, pois Este certamente esteve conosco em todos os momentos. A agonia vem porque não sabemos em muitas das vezes o que nos ocorrera. O desespero surge quando começamos a perceber que realmente nossa oportunidade de estadia naquela morada chegara ao fim. O sofrimento vem quando olhamos para trás e percebemos tudo o que deixamos, dos amores, dos prazeres, das vivências e das alegrias. O pavor aumenta quando naquele mesmo instante lembramos daquilo que deixamos para depois, quando lamentamos a palavra não dita ou mal dita; o sorriso não dado, o abraço negado e o

2018-03-28T12:15:16+00:00março 28th, 2018|Artigos, Psicografia|

Psicografia – Relato

Agradeço a chance que recebi de estar aqui neste dia. Pedi a permissão para contar a vocês um pouco da minha história. E essa permissão foi concedida. Hoje eu já compreendo um pouco e sei que se a espiritualidade que cuidou tão bem de mim permitiu que eu,mesmo ainda em tratamento na erraticidade aqui viesse, é porque vocês meus irmãos, poderão fazer bom uso das palavras que aqui trarei embargadas de emoção. Nasci nem sei dizer a quanto tempo. Mas nasci em uma família feliz, cristã, que me ensinou desde muito cedo que Deus Pai é nosso criador e que somente através Dele conseguiríamos viver bem nossa vida. Uma família que me ensinou o respeito ao próximo, o amor, a caridade e a fé.  No decorrer da minha vida, fui buscando fazer tudo o que aprendi com meu eterno e amado pai e com a doce e bondosa minha mãe. Sempre fui uma jovem inteligente, cheia de garra, de fibra e busquei aprender tudo o que a vida e a ciência podia me ensinar. Sou grata a ela, porque foi através do conhecimento que busquei um bom emprego, conquistei boa e grande carreira, bens materiais, carro, casas e farras. Cumpria minhas obrigações que na infância aprendi com meus pais. Fazia as orações, cumpri todos os mandamentos que a lei de Moisés nos deixou. O que não sabia, é que o tempo passava e eu, não procurava entender o porquê de cada coisa, de cada situação. Meus amigos, minha vida era uma vida boa, cheia de regalias. Muito dinheiro, mas nunca deixei de cumprir com minhas obrigações. Construí família e procurei dar a cada um deles o bom e o melhor para que assim bem vivessem. Naquele momento para mim, bem viver era ter uma boa e grande casa, um

2018-01-27T12:17:33+00:00novembro 7th, 2017|Psicografia|

Psicografia – reunião de 14/09/2017

Reunião de 14/09/2017 "Eu ainda sinto o gládio da execução entrando e rompendo a carne, nervos e veias do meu ombro. Ainda sinto a dor. Sinto e vejo o sangue se esvair. Morri feito um porco. E vivi como um também, de certa forma. Torturei, matei e me empanturrei em riquezas vis de um Império também vil. Não cheguei a me arrepender do que fiz em vida. Cumpri ordens e também as dei, me integrei onde e como precisava. Vivi como os meus viviam. Quando a execução chegou, justa ou injusta, não sei, estava consciente. Senti cada fibra da minha carne ser cortada e cada gota do meu sangue ser minado. O vi, aos borbotões, molhando minhas belas vestes de riqueza e ostentação e, depois, encharcando a terra dos belos jardins de minha bela casa. E soube que era a hora de entregar a moeda a Caronte e confrontar o reino de Hades. Para minha surpresa, isso não aconteceu bem assim. Não houve moeda, nem barqueiro, nem rio... mas, havia inferno. Isso sim! Vaguei tentando entender. Sem forças com tanto sangramento. Com dor de carne cortada. Mas, com o orgulho de ter vivido como vivi, de ter cumprido meus deveres e alcançado o sucesso que sempre almejei e a que me dediquei com afinco e sem pudores. Vi dor, choro, angústia à minha volta, sem entender de onde vinha aquilo. Senti fome, frio, sede, cansaço e dor. Vi meu longo manto e minha túnica, permanentemente encharcados do meu próprio sangue, se desmancharem, se rasgarem, se puírem e esgarçarem até ficarem como algo menos que uma névoa, um resto daquele sinal de riqueza e poder que eles representaram um dia, nos tempos de glória. Ainda sinto tudo isso. Ainda posso ver a sombra do cabo do gládio cravado em meu

2018-01-27T12:20:50+00:00setembro 15th, 2017|Psicografia|

Psicografia – Energia

A energia que se emite é a energia que se recebe de volta. Essa é a Lei da Sintonia. Quanto mais se pede, mais se sintoniza com a escassez. Quanto mais se queixa, mais se sintoniza com o fracasso. Quanto mais se odeia, maior a sintonia com o erro, a perda. Por outro lado, quanto mais se agradece, mais se recebe de volta. Quanto mais oferece, mais ganha. Quanto mais luz se emite, mais claro fica o caminho. Quanto mais se ama, mais é amado. Quanto mais se cura, mais se é curado. Isso é Lei da Vida. Não é lei dos homens. Por isso, nós, homens, pobres de nós, ainda não entendemos bem. Pedimos quando queremos receber. Deveríamos oferecer o que podemos para receber o que precisamos. Deveríamos agradecer o que temos para entrar em sintonia com a abundância do universo. Energia é assim: ela vai e ela volta como que refletida em um grande espelho côncavo, que amplia, multiplica e espalha. Pensamento é energia. Amor é energia. Luz é energia. Por isso, vai e volta. Devemos cuidar do que emitimos, pois temos responsabilidade sobre o que espalhamos, sobre o que espelhamos. É a máxima crística do orai e vigiai: cuidar dos pensamentos, dos sentimentos, da energia que emitimos e, consequentemente, do mundo que construímos para nós e para os outros. Temos responsabilidade com as fontes cósmicas que acessamos e em que bebemos. E há fontes de amor, luz, prosperidade e beleza. E também há fontes de dor, medo, raiva e culpa. Nós escolhemos onde vamos nos abastecer e o que vamos disseminar no mundo. Reunião Mediúnica: 20/07/2017

2017-07-28T17:28:58+00:00julho 28th, 2017|Psicografia|

Psicografia 20-07-2017

A vida nos permite um misto de oportunidades de crescimento e avanço nessa busca por ser cada vez mais um canal de luz e ajuda, boa vontade é apenas o ponto de partida, porém o estudo é primordial para que o objetivo principal possa ser alcançado, e quando falamos estudar a ideia é um pouco diferente do conceito que alguns têm, pois consiste em assimilar e depois depurar tudo o que é armazenado para só então poderem construir o vosso conceito acerca daquilo a que expõem as vossas mentes. Não sejam inocentes a ponto de acharem que leituras, que em alguns casos acontecem de maneira rápida possam ser considerados momentos de estudo, porque não o são, essa prática tem seu valor, pois de certa forma o envolvimento com ela é um excelente instrumento para mudança e elevação do vosso campo vibracional, porém passado esses momentos muito pouco, salvo em alguns casos, dotados de uma capacidade de maior absorção, por conta de experiências prévias, assimilam com qualidade e profundidade o que é colocado diante da vossa tela mental. Estudar exige sempre disciplina e esforço, e como tal, às vezes não é algo tão divertido como no caso de uma boa leitura apenas. É necessária força de vontade e domínio próprio para estabelecer metas e objetivos claro e bem definidos, pois sem isso os momentos poderão ser comparados a apenas um passeio em um brinquedo que circula, porém não sai do lugar. Já quando o objetivo existe, tem-se uma expectativa do que se pretende alcançar potencializando-se assim esses períodos de estudo, que no início, por falta do exercício da disciplina, deixarão de ser momentos áridos para se tornarem em verdadeiros Oasis de conhecimento, sabedoria e amparo. Da mesma forma em que cada um é assistido na prática do evangelho no lar,

2017-07-28T17:16:08+00:00julho 28th, 2017|Psicografia|
Go to Top